É um principiante à procura de novas sensações? Um iniciado à procura de progredir? Ou um aventureiro em busca de serenidade? Quem quer que seja, os meus conselhos de natação em águas abertas estão aqui para que tire o melhor partido!

NADAR EM PISCINA

Mesmo se  tanque com cloro não consegue recriar as verdadeiras condições de águas abertas, a piscina apresenta muitas vantagens, associadas, nomeadamente à técnica de natação.

Qualquer que seja o seu objetivo, a técnica de natação estará sempre ligada ao seu sucesso.

Por isso, melhorar os seus movimentos e a sua postura na piscina pensando numa saída no mar, será um meio muito eficaz de aproveitar ao máximo quando estiver mergulhado em águas naturais.

 

E depois, nada nos impede de recriar algumas condições de águas abertas, de forma artificial, na piscina:

• Ausência de referências : Nadar de olhos fechados, em curtas distâncias, é um bom método de melhorar a capacidade de nadar  à direito sem nenhuma referência em águas abertas. (deve evitar este exercício quando as linhas estiverem cheias!)

• A “respiração frontal”: pode treinar a efetuar esta respiração na piscina para automatizar o movimento mais facilmente, sem os constrangimentos das ondas e a turbulência.

• As longas distâncias: não hesite em pensar em grande e encadear um bom número de piscinas sem grande repouso. Não hesite também em levar um cantil e um snack para simular um reabastecimento em águas abertas.

• A forte sustentação: O sal e os fatos de águas abertas raramente se podem encontram nas piscinas. Nadar com um pullbuoy pode ser um bom método para recriar uma forte flutuabilidade.

• A multidão: tem alma de competidor? Para se familiarizar com os empurrões dos pelotões de partida, escolha linhas de água sobrelotadas em horas de maior afluência (e não se esqueça da sua declaração amigável…).

 

E se ainda não for suficiente, opte por piscinas de água salgada!

ADOTE OS BONS HÁBITOS

natação em águas abertas é uma das melhores maneiras de relaxar eliminando o stress diário.

Mas ser embalado pelas ondas aproveitando a beleza das águas naturais, pode ser uma disciplina arriscada se a sua preparação não for levada a sério.

 

Para estar preparado a desafiar os elementos com toda a segurança, não se esqueça de se equipar com o material adequado, ou seja:

Fato para águas abertas se a temperatura da água estiver baixa

• Reabastecimento em caso de cansaço (água, comida...)

• Equipamentos bem visíveis (touca de natação, boia de águas abertas…)

 

Em todo o caso, se sentir um golpe de cansaço e caso não tenha consigo uma boia de segurança, pense em colocar-se de costas. Poderá assim flutuar na horizontal sem esforço, e recuperar tranquilamente.

Se uma dor ou uma cãibra surgirem, descanse da mesma forma, e retome a natação de costas para as ondas, utilizando o menos possível o membro dorido.

 

Para saber mais informações sobre estes pontos, não hesite em percorrer o meu conselho sobre os básicos de segurança em águas abertas!

ADAPTAR-SE ÀS CONDIÇÕES

Temos que ser francos, o charme da natação em águas abertas é indissociável da nossa sede insaciável de desafiar os elementos em comunhão com a natureza.

Mas, para enfrentar a ondulação e outras correntes mantendo uma natação fluída e regular, a nossa técnica de natação deve adaptar-se ao meio ambiente.

Saber tirar a cabeça de dentro de água para manter o rumo sobre a margem, as boias ou qualquer outra referência é indispensável. Para saber mais sobre o assunto respirar e orientar-se em águas abertas, convido-o a ler o meu artigo sobre este tema!

Em águas abertas, o “crawl” (“rastejar” ) nunca se adaptou tão bem. Com efeito, a sustentação da água permite-lhe ter mais facilmente apoio sobre as ondas para se deslocar, enquanto as pernas servem de leme.

Se as ondas estiverem presentes, lembre-se de nadar perpendicularmente a elas, respirando sobre o lado permitindo-lhe ver a onda chegar. Evitará desta forma alguns encontros desagradáveis!

ENCONTRAR  O SEU RITMO DE NATAÇÃO

Aumentar a amplitude ou a frequência? Este pode ser o dilema do nadador de águas abertas.

 

Mas a verdade é que para encontrar o ritmo de natação mais confortável e continuar a progredir, é a relação entre estes 2 pontos que deverá ser melhorada.

Em águas abertas, a rotação dos braços faz-se mais rapidamente que na piscina de forma a não sair da sua zona de conforto aeróbia e evitar assim o congestionamento demasiado rápido dos músculos. Para isso deverá privilegiar a frequência relativamente à amplitude do movimento.

Concentrar-se apenas sobre a amplitude não será uma fonte segura num ambiente de águas naturais. Com efeito, a ondulação do meio poderia facilmente cortar-lhe os apoios. E estaria assim infelizmente a gastar energia para nada.

Alguns treinadores estão de acordo ao afirmar que o primeiro trabalho do nadador de águas abertas deve estar centrado sobre o domínio do crawl e depois sobre a sua amplitude de movimento. A amplitude será caraterizada pela sua capacidade em aumentar e em manter a fase de propulsão, quaisquer que sejam as condições.

 

Já percebeu, que não existe propriamente um ritmo de natação perfeito. Lembre-se no entanto que o seu ritmo de natação ideal será aquele que consegue manter, a um bom ritmo e de forma constante, num esforço de longa duração!

NADAR COM OUTRAS PESSOAS

natação é muitas vezes encarada como um desporto individual, até mesmo solitário. No entanto, as águas abertas dão-lhe a oportunidade de organizar saídas com várias pessoas, onde a solidariedade e a entreajuda são palavras de ordem.

As sessões em grupo são um bom método de aliar divertimento e progressão, propondo desafios cada vez mais ambiciosos com os seus parceiros aquáticos!

Quer os seus objetivos sejam distância ou tempo, as sessões em grupo permitem-lhe puxar por si permanentemente, progredir e isto com uma segurança suplementar que não pode ser negligenciada.

regis

RÉGIS

NADADOR NACIONAL E LÍDER COMUNICAÇÃO

ESTES CONSELHOS PODEM SER DO SEU INTERESSE