ENSINAR A CRIANÇA A ANDAR DE PATINS: 5 DICAS E CONSELHOS INFALÍVEIS

Aqui temos cinco dicas e conselhos para que tudo corra e role bem, não só para ela, como para ti.

Ensinar a criança a andar de patins decathlon

Oito rodas de borracha, uma espécie de botas de ski e, logo em cima, duas pernas finas um pouco trémulas: a criança inicia-se nos patins. Aqui temos cinco dicas e conselhos para que tudo corra e role bem, não só para ela, como para ti.

PROTEGIDOS PARA ENSINAR E APRENDER A ANDAR DE PATINS

Antes de calçar os patins e, para evitar que a primeira sessão termine nas urgências, equipa o pequeno atleta.

Escolhe um capacete bonito, cotoveleiras, protecções de pulso e joelheiras: esta panóplia de equipamentos só garantirá a sua segurança. Para garantir eficácia e estilo, opta por protecções novas e adaptadas ao seu tamanho, que não tenham já sido sujeitas a demasiados choques e desgaste (escoriações, elásticos repuxados, buracos, etc.)

Recuperar material em segunda mão é uma atitude louvável, mas não compensa se implicar a recuperação de um cotovelo ou de um pulso lesionado. Não descures esta etapa porque, afinal de contas, até os super heróis usam armadura.

ENSINAR A CRIANÇA A ANDAR DE PATINS DECATHLON: 5 DICAS E CONSELHOS INFALÍVEIS

AS PERNAS DEIXARAM DE ANDAR TRÉMULAS!

A criança já calçou os patins, que já são em si uma verdadeira armadura à prova de choques. Vamos lá então! Primeiro ponto, conseguir equilibrar-se. Para uma introdução aos prazeres das modalidades de deslize urbano, faz com que esta recorra a todo o tipo de apoio que estiver ao seu alcance: os próprios tutores, barreiras, paredes, postes...

O "mobiliário urbano" é uma preciosa ajuda para os pequenos patinadores que procuram conquistar a estabilidade. Com estes apoios exteriores e, sem deixar de olhar sempre em frente, a criança começará rapidamente a endireitar a postura e ganhará cada vez mais confiança. Segundo ponto: ganhar balanço! Comece por rolar com os pés paralelos em linha reta. Em seguida levante um pé e o outro, antes de introduzir o movimento de propulsão.

Depois, vem a aprendizagem das viragens e por último a travagem (sem ajudas desta vez!). Quando todas estas bases estiverem assimiladas, só faltará praticar e aventurar-se progressivamente mais longe. Em pouco tempo, o mini craque já estará a curvar, saltar, andar para trás ou só com um pé.

A Deslizar!

Logo desde a primeira sessão, o jovem nunca estará sozinho. Cães, caixotes de lixo, passeios: são muitos os obstáculos que terá de aprender a gerir. Para evitar encontros imediatos de terceiro grau com estes elementos, escolhe espaços relativamente planos, lisos, desafogados e (se possível) com pouca gente. Aproveita para explicar as regras básicas de trânsito na cidade (semáforos, passadeiras, prioridade dos peões, etc.) e nos passeios, onde devem andar os praticantes de patins.

Explica-lhe como observar bem à sua volta antes de se lançar e refere os seus limites: imitar as proezas dos outros praticantes mais experientes ficará para uma próxima vez.

APRENDER A ANDAR DE PATINS: SOU EU QUE FAÇO

Esta é provavelmente uma frase que já terá frequentemente ouvido da criança e que, neste caso em especial, não estará errada. É certo que a tua supervisão é absolutamente essencial, sobretudo quando se trata de crianças mais jovens. Mas do acompanhamento ao impedimento, existe apenas um pequeno passo que nem sempre é conveniente dar.

A prática de patins não é, com efeito, uma atividade apenas física: exige também força mental. Insistir para conseguir, tentar novamente depois de uma queda... A autonomia da criança é um elemento fundamental para dominar os gestos e as posturas corretas que permitirão evoluir. Larga a mão no momento certo e quando for totalmente seguro.

Já equipaste a criança com proteções, mantém-se por perto para qualquer eventualidade, é tempo agora de fechar (um pouco) os olhos quando o teu craque se lançar de modo mais atrevido em retas!

UMA APRENDIZAGEM REQUER SEMPRE TEMPO E PACIÊNCIA

A primeira sessão é apenas o começo de uma longa série. Desenvolver bons reflexos, especialmente com patins, é um processo progressivo. Adquire uma dose de paciência extra e incute na criança esta qualidade essencial para qualquer mestre da patinagem! Não vale a pena apressares-te, não será por isso que a criança aprenderá mais depressa.

É sobretudo importante evitar que a criança se sinta pressionada e/ou frustrada. Para o ajudar no seu papel de mentor, descobre com ela, encontra motivações que a leve a praticar: desafios, passeios com amigos, pequenas recompensas...

Todos os meios são válidos para criar uma cumplicidade que a ajudará a progredir com confiança.

RECOMENDAMOS TAMBÉM OS NOSSOS CONSELHOS PARA A PRÁTICA DE PATINS