apto

COMO TREINAR AS TRANSIÇÕES NO TRIATLO?

As transições no triatlo têm o mesmo efeito que quando se deixou dormir de manhã e se apercebe que tem de estar no trabalho daí a 10 minutos, o stress aumenta, corre em todos os sentidos e, se não mantiver o sangue frio, nem sabe o que fazer!

As duas transições no triatlo são momentos chave da sua prova. Negociá-las bem não o fará o vencedor da prova, mas negligenciá-las irá fazer-lhe perder muito tempo, enquanto que com um pouco de trabalho e organização, irá fazer transições relâmpago que lhe permitirão ganhar alguns lugares. Neste artigo irá compreender a mecânica das transições, bem como os fenómenos fisiológicos que ocorrem nesta fase da prova. Irei indicar-lhe truques para aperfeiçoar a sua organização e viver bem as suas mudanças de desporto.

O QUE SÃO AS TRANSIÇÕES?

São as duas fases da corrida que o levam de um desporto a outro. Na primeira, irá passar da natação ao ciclismo, e na segunda, pousa a sua bicicleta para iniciar a última parte do seu triatlo, a corrida. Fisicamente, o espaço é frequentemente delimitado e completamente fechado, apenas os atletas e os árbitros podem circular.

A primeira vez que entra na zona de transição é antes da prova, para lá deixar o seu material. Tem uma zona dedicada (não vá com uma mala de viagem, não irá caber!), é um espaço relativamente estreito e a otimização do centímetro quadrado é fundamental. O seu espaço está indicado graças ao seu número de dorsal.

AS TRANSIÇÕES SÃO REGIDAS POR REGRAS:

- Há um sentido de circulação a respeitar (para evitar que pareça a 2ª circular em hora de ponta).

- Não pode andar de bicicleta na zona, deve correr ao lado da sua bicicleta e manter o seu capacete sempre preso na cabeça enquanto estiver com a sua bicicleta na zona de transição.

- Na saída, uma delimitação no chão indica que já pode subir para a bicicleta. Estão lá árbitros para o indicar (ou para lhe lembrar a ordem). Esta mesma linha e os mesmos árbitros estão presentes para confirmar que desce mesmo da bicicleta na chegada à transição 2 .

trans

O QUE SE PASSA NO SEU CORPO?

Quando começa uma prática desportiva, o seu corpo fá-lo sentir com cãibras e outras dores musculares no dia seguinte. Irá descobrir músculos que nem sabia que tinha. No triatlo irá senti-lo em direto, e se não se preparar minimamente, isso pode pará-lo.

Não irá descobrir novos músculos quando passar da natação ao ciclismo e do ciclismo à corrida. Em contrapartida, irá mudar de meio e de postura. A primeira transição é a menos traumática na negociação. Durante a natação está numa postura horizontal. No fim do seu esforço, muda brutalmente de postura, o que pode por vezes causar desequilíbrios. Além disso, no meio aquático tem sustentação, e passa por um desporto não sustentado na zona de transição, uma vez que está a correr. Isto pode causar inícios de cãibras, amplificadas pelo facto de usar pouco as pernas na natação. É então necessário reativar a circulação sanguínea, acelerando os batimentos nos últimos metros, pois as pernas serão solicitadas bruscamente na saída da água.

Este fenómeno irá voltar a ocorrer na segunda transição, em que volta a passar de um desporto sustentado, o ciclismo, para um desporto não sustentado: a corrida. Podemos atenuar os efeitos nefastos destas alterações de postura preparando-se nos treinos. Durante o seu programa de treino, faça uma vez por semana uma sessão combinada entre dois desportos. Pode, por exemplo, rolar 20 a 40 km de forma mais intensa e, quando pousar a bicicleta, correr 5 km. Das primeiras vezes irá sentir o início de cãibras, mas quanto mais vezes for repetindo este exercício, menos irá sentir este fenómeno. Isto funciona da mesma forma com o encadeamento natação/corrida. Porque é quando está a correr na zona de transição que os problemas de cãibras podem ocorrer, não quando começa a rolar.

E pronto, acaba de ter uma resposta ao problema fisiológico que irá ter durante as transições do seu triatlo. Agora tem de se organizar!

ORGANIZE-SE PARA GANHAR MINUTOS

Na realidade, quando se inicia no triatlo, os ganhos que possa ter nas transições contam-se em minutos. Pode dizer-se que as transições são um detalhe que não interessa, mas garanto-lhe que no dia da prova irá perder imenso tempo entre cada prática da prova. Porque se vai esquecer de colocar um equipamento por falta de lucidez, não vai conseguir calçar as meias ou o calçado por causa dos pés húmidos ou simplesmente vai-se perder na zona de transição... Para evitar isto, basta organizar-se. Num primeiro tempo, antes da corrida, faça uma check-list do material indispensável à sua transição.

Para o ciclismo:

- capacete homologado

- calçado de ciclismo (se tiver calçado de ciclismo)

- meias (se desejar)

- óculos

- toalha para limpar os pés

- cinto porta-dorsal.

- creme solar

Para a transição para a corrida:

- calçado de corrida

- boné

bg

Com a check-list confirmada, treine-se fisicamente a colocar o material à volta da sua bicicleta. Primeira coisa importante: em 90% dos triatlos a colocação da bicicleta é feita pela ponta do selim; ficam todas penduradas por este selim e colocadas em quincôncio. Tem a largura do guiador para organizar o seu material.

Aconselho a organização seguinte:

      -> Toalha estendida aos pés da roda dianteira.

     -> Capacete, cinto porta-dorsal, óculos ao contrário, correias abertas e esticadas, para enfiar estes diferentes elementos o mais rapidamente possível.

      -> No caso do calçado de ciclismo, esqueça o método dos elásticos nos pedais (esta técnica requer um mínimo de experiência de corrida e de prática). Coloque-o simplesmente ao pé da sua roda, completamente aberto, e se usar meias, coloque-as sobre o calçado (o que se calça primeiro deve ser colocado em último, para que seja enfiado primeiro).

      -> Irá dispor o seu calçado de corrida da mesma forma, com o boné por cima.

Quando tiver testado a sua organização, TREINE-SE: enfie o fato de natação e pratique retirá-lo enquanto corre.

Outro ponto que o fará ganhar tempo durante a transição 2, treine a remoção do calçado de ciclismo enquanto rola (se o tiver). Algumas centenas de metros antes da zona de transição coloque um dos pés no ponto mais alto, segure o guiador com a mão oposta, com a outra mão desaperte os apertos do calçado, depois retire o pé de dentro dele, colocando-o por cima do calçado e continuando a pedalar até ao parque de bicicletas. Repita esta operação para o segundo calçado. Graças a esta manipulação irá chegar à zona de transição já pronto a calçar o calçado de corrida e o seu calçado de ciclismo irá permanecer preso aos pedais.

Para finalizar, no dia do triatlo, antes da partida, veja bem o trajeto que separa o seu espaço da saída da água, bem como da saída do parque de bicicletas, para não se perder nem ficar desorientado no momento da prova.

Está finalmente pronto para o grande dia! Não se iluda, a sua primeira transição não será perfeita, pela simples razão que é a primeira e ainda não ganhou experiência. No entanto, fez o seu treino físico, não se esqueceu de nenhum material necessário graças à check-list, está preparado para lidar com as mudanças de postura, basta-lhe agora aproveitar cada momento do seu dia e divertir-se!!!

Boa corrida!

ale

ALEXANDRE

Estou apaixonado pelo triatlo desde há 5 anos, praticando a longa distância, triatlo L e XL. Estou certificado no clube de AMSLF Triathlon, em Fréjus. Algumas belas experiências que já tive: Ironman 70.3 Aix en Provence, Polar international triathlon de Cannes, Embrunman… Ciclista aguerrido e nadador sofrível, corro da mesma forma que concebo o triatlo - indo aos meus limites e mais além!

VOLTAR PARA O TOPO