AS BEBIDAS ENERGÉTICAS

Esta bebida tem como objetivo compensar as perdas em água, glúcidos e minerais devidas ao esforço. A sua composição é adaptada às necessidades nutricionais dos desportistas durante as suas atividades físicas.

As bebidas energéticas

1. QUAL A VANTAGEM DAS BEBIDAS ENERGÉTICAS 

Hidratar-se é um imperativo, qualquer que seja a sua atividade física. O primeiro objetivo de uma bebida energética é, assim, hidratar.

As bebidas energéticas são açucaradas e representam um contributo de glúcidos facilmente assimilável durante o esforço. Permite retardar o esgotamento das reservas energéticas e, assim, evitar a hipoglicémia ("a exaustão")

2. COMO UTILIZAR AS BEBIDAS ENERGÉTICAS?

Esforços interiores a 1h/1h30:

Água pura é suficiente.

Esforços superiores a 1h/1h30:

É aconselhável que consuma uma bebida glucídica regularmente (1 golo a cada 10/15 minutos). Esta bebida deve privilegiar os glúcidos, para fornecer ao organismo uma bebida rapidamente utilizável. Esta bebida deve conter também sódio, vitamina B1 e ser isotónica, para assegurar uma boa assimilação.

Esforços de muito longa duração:

Para os esforços duradouros, o fornecimento de glúcidos e minerais são sempre importantes, permitem assegurar as necessidades. Esta bebida deve conter também minerais: sódio, bem como potássio e magnésio com tempo quente; deve ainda conter ainda vitaminas B1, B2, B6, que desempenham um papel na utilização dos glúcidos pelo organismo.

3. QUAIS OS INGREDIENTES INDISPENSÁVEIS DE UMA BEBIDA ENERGÉTICA?

A especificidade da bebida está associada à sua composição em glúcidos, minerais (como o sódio) e, assim, à sua osmolaridade.

- Água, para manter a hidratação: a atividade física é a causa de uma perda significativa de água, que pode afetar o desempenho dos desportistas.

- Glúcidos, para compensar as perdas de energia: os glúcidos mais frequentemente utilizados são a glucose, a frutose e as maltodextrinas.

- Sódio, para compensar as perdas pela transpiração: o sódio contribui para a manutenção do equilíbrio hídrico do organismo. Recomenda-se um fornecimento de 400 a 1100 mg/l. Não se recomenda superar este limite, para não modificar a osmolaridade e, assim, indiretamente, a velocidade do esvaziamento gástrico.

- Osmolaridade: a osmolaridade do sangue é de 290 mOsm/l. Para ser isotónica, uma bebida deve ter a mesma concentração.

4. HÁ ARMADILHAS A EVITAR?  

- A frutose: A frutose, isolada, não é recomendada durante o esforço. Com mais de 30 g/l, pode levar a problemas gastrointestinais, que têm um efeito negativo no desempenho. Deve ser associada a outro açúcar.

- O mel: muito rico em frutose. as bebidas energéticas elaboradas com este ingrediente têm pouco interesse, exceto se estiver associado a outro açúcar.

- A temperatura da bebida: A bebida deve ser fresca (10 – 15 °C), mas não gelada.

5. QUAL A REGULAMENTAÇÃO DAS BEBIDAS ENERGÉTICAS?

Para obter a indicação nutricional "produto dietético de esforço", as bebidas devem responder a critérios regulamentares precisos.

As bebidas energéticas fazem parte de uma das 6 categorias de géneros alimentícios destinados a uma alimentação especial (GADAE) regulamentadas a nível europeu pela diretiva 89/398/CEE.

Adicionalmente, os produtos de esforço são especificamente regulamentados pelo decreto de 20 de julho de 1977, que especifica o teor em glúcidos representa pelo menos 60% do seu contributo calórico. Adicionalmente, devem conter uma quantidade de vitamina B1 suficiente para que um fornecimento calórico de 3000 kcal corresponda a um teor de B1 entre 3 e 9 mg.

marie-fauchille

Marie Fauchille

Dietista-Nutricionista, apaixonada pelo raid multidesportos e pelo remo

CONSELHOS DE INTERESSE