apto

OS BENEFÍCIOS DA AUTOMASSAGEM: O QUE A CIÊNCIA NOS DIZ

A massagem é altamente recomendada na recuperação desportiva, diz-se frequentemente que "ajuda a recuperar melhor", mas isso está realmente comprovado? A massagem e, neste caso, a automassagem e a utilização de acessórios de automassagem, são realmente benéficas na recuperação? Quisemos saber mais...

Pedimos a Rodolphe Testa, engenheiro biomecânico na Faculdade de Medicina de Saint-Étienne, que aprofundasse o assunto. Ele apresenta-nos um resumo do seu trabalho através de vários artigos científicos sobre o efeito da massagem no processo de recuperação.

Segue-se a síntese da análise bibliográfica de: R Testa( PhD, biomecânico, IRMIS, Faculdade de Medicina de Saint-Étienne) e J Rossi (PhD, Docente, Universidade de Saint-Étienne) sobre os utensílios de automassagem deslizantes.

1. O QUE É UMA ANÁLISE BIBLIOGRÁFICA?

É um trabalho de pesquisa de todos os artigos científicos internacionais publicados (frequentemente em inglês). Primeiro, são escolhidas e associadas palavras-chave (FOAM ROLLER, ROLLER MASSAGER, SELF MASSAGE) a partir de motores de pesquisa específicos do mundo académico (pubmed, sciencedirect, etc.). Alguns artigos são mais importantes do que outros (análises bibliográficas e meta análises) porque apresentam e analisam os resultados de muitos outros estudos. Foram publicados entre hoje e 2015, pelo que limitamos a nossa pesquisa a 2015 (28 artigos). Por último, os resultados principais sobre o assunto são ordenados e classificados.

A massagem é uma prática terapêutica ancestral, tendo sido encontrados indícios na China, cerca de 2500 anos antes da nossa era. Os seus benefícios são elogiados em todas as culturas há milénios. Mais recentemente, com o avanço da medicina moderna, vários laboratórios estudaram as técnicas e os efeitos esperados ou comprovados das massagens. Estes estudos deram origem a vários artigos científicos. Os utensílios de automassagem estão cada vez mais presentes no meio desportivo e do bem-estar. Utilizam as mesmas técnicas e são, também eles, frequentemente estudados. Realizámos uma análise bibliográfica destes artigos, seguindo-se um resumo dos nossos resultados.

rolo

2. OS PRINCÍPIOS DA AÇÃO DE MASSAGEM

De acordo com o estudo de Weerapong em 2005, ficou comprovado que a automassagem tem benefícios em 4 tipos de origem: 

- Biomecânica: pressão mecânica => aumento temporário da amplitude articular (ganho de flexibilidade).

- Fisiológica: modificação nos tecidos => subida da temperatura. Modificação do equilíbrio hormonal favorável a uma sensação de relaxamento, de bem-estar. 

- Neurológica: estimulação de reflexo => descida da excitabilidade neuromuscular e, portanto, diminuição da dor.

- Psicológica: os utilizadores notam um aumento do relaxamento, o que pode estar associado aos efeitos psicológicos e neurológicos da massagem.

3. OS EFEITOS PRINCIPAIS DA AUTOMASSAGEM ATRAVÉS DE DESLIZE

1.  AUMENTO DA AMPLITUDE ARTICULAR

A automassagem dos grupos musculares e das fáscias leva a um ganho de amplitude temporário nas articulações próximas. O efeito é demonstrado em várias zonas por vários estudos. Utilizada no aquecimento em desportos que requerem uma boa mobilidade, a automassagem é benéfica. Pode ser também aplicada na recuperação em desportos que implicam uma redução da amplitude articular. A sua ação aumenta quando é associada aos alongamentos. De acordo com os artigos científicos de Cheatham 2015, Beardsley 2015, Schroeder 2015, Kelly 2016, Fairall 2017, Cheatham 2018, Rivera 2019, Wiewelhove 2019.

2. MELHOR RECUPERAÇÃO

A automassagem ajuda na recuperação. Os estudos demonstram um melhor retorno do desempenho em atividades explosivas, com testes efetuados em sprint ou salto (Wiewelhove 2019). Além disso, constata-se igualmente uma redução das dores após a automassagem (Wiewelhove 2019). A redução é comparável à que é obtida através de uma mobilização neurodinâmica efetuada por um fisioterapeuta (Romero Moraleda 2017).

FONTES

Weerapong. 2005. The Mechanisms of Massage and Effects on Performance, Muscle Recovery and Injury Prevention.

Cheatman 2018 Knowledge of self-myofascial release among allied health students in the United States: A descriptive survey

Fairall 2017. Acute effects of self-myofascial release and stretching in overhead athletes with GIRD

Moraleda 2017 Neurodynamic mobilization and foam rolling improved delayed-onset muscle soreness in a healthy adult population: a randomized controlled clinical trial

Rivera 2019 Comparison of Myofascial Release Techniques on Pectoralis Minor Length, Glenohumeral Total Arc of Motion, and Skin Temperature: A Pilot Study

Schroeder 2015 Is Self Myofascial Release an Effective Preexercise and Recovery Strategy? A Literature Review

Beardsley 2015 Effects of self-myofascial release: A systematic review

Kelly 2016  SPECIFIC AND CROSS-OVER EFFECTS OF FOAM ROLLING ON ANKLE DORSIFLEXION RANGE OF MOTION

Wiewelhove 2019. A Meta-Analysis of the Effects of Foam Rolling on Performance and Recovery

ap

RODOLPHE TESTA

Engenheiro Biomecânico na Faculdade de Medicina de Saint-Étienne

VOLTAR PARA O TOPO