4 conselhos para pedalar à chuva

4 CONSELHOS PARA PEDALAR À CHUVA

Pedalar à chuva é para esquecer?! Seja num dia de treino, a meio de um passeio ou durante uma prova, a chuva nem sempre é fácil de encarar. Descubra as nossas soluções para se proteger dos inconvenientes de um mau tempo.

PEDALAR À CHUVA NUNCA PODE SER MUITO AGRADÁVEL. 

 

Pedalar à chuva pode não ser a sua primeira escolha para divertir-se, no entanto, se queremos desfrutar da bicicleta durante todo o ano, seremos obrigados a decidir se vamos ou não fazer-nos à estrada nos dias sem sol, com possibilidade de chuva! Mesmo se evitarmos sair nos dias de chuva, podemos ser apanhados desprevenidos a meio do passeio ou treino e, se não estivermos preparados, vamos chegar molhados à casa. Seja ao nível do vestuário ou dos acessórios de bicicleta, já foram desenvolvidas muitas soluções e acessórios que permitem proteger-se da água. Mas por melhor equipados que possamos estar, devemos contar com a prudência. Apresento-vos os melhores conselhos para enfrentar da melhor forma possível as condições chuvosas quando for pedalar.

número-1

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

UM CASACO IMPERMEÁVEL E RESPIRÁVEL

Esqueça os tradicionais impermeáveis que, apesar de não deixarem entrar água, não são de todo respiráveis. Fazem-nos transpirar mais e, se não ficamos molhados pela chuva, ficamos molhados pelo suor.

Existem atualmente impermeáveis respiráveis que permitem pedalar com chuva forte sem ficarmos com a sensação de sauna.

 

CAPAS DE CALÇADO

Se tencionarmos pedalar durante um tempo prolongado à chuva, as capas de calçado impermeáveis são um acessório indispensável que permite manter os pés secos. Não há nada mais desagradável do que pedalar com o calçado encharcado em água e a sensação de ter os pés a chapinhar em cada pedalada.

Os pés não estão aliás numa posição privilegiada. São a parte do corpo que está mais próxima do solo e na trajetória direta da água projetada pela roda da frente! E depois de molhados, a sensação de frio nos pés surge rapidamente, o que torna mais desagradável ainda o ato de pedalar à chuva.

GUARDA-LAMAS

Um elemento cada vez mais em voga entre os ciclistas que não querem abdicar da sua pedalada, sejam quais forem as condições meteorológicas.

Os modelos integrais que se fixam na bicicleta são os mais eficazes. São leves e a maioria dos modelos fixa-se rapidamente e sem ferramentas. Não oferecendo propriamente um visual de "competição" nem o melhor aerodinamismo, são sem dúvida a melhor proteção. Permitem evitar que fique molhado com as projeções de água geradas pela rotação das rodas. Manterá o seu corpo seco durante muito mais tempo e ficará também protegido das projeções de lama, tal como a bicicleta. Evitará assim sujar grande parte da bicicleta, o que é ideal se tiver uma segunda bicicleta que só utiliza no inverno ou em dias de mau tempo.

Existe também um modelo de guarda-lamas mais minimalista em plástico flexível que é fixado sem ferramentas debaixo do selim. Protege muito menos, mas não pesa nada e não oferece resistência ao vento. Embora proteja apenas o seu traseiro, essa proteção mínima sempre representa um nítido ganho de conforto.

 

MANTENHA-SE VISÍVEL

Não se esqueça de usar vestuário de visibilidade (refletor em condições de menor luminosidade) ou até mesmo luzes à frente e atrás.

número-2

Travagem

As distâncias de travagem são significativamente maiores à chuva do que com tempo seco. Os calços de travão demoram algum tempo a secar a zona de contacto na roda antes de produzirem a sua ação de travagem com eficácia.

Embora as jantes de carbono tenham tido alguma evolução nos últimos anos, privilegie jantes de alumínio, que são mais eficazes à chuva. Poderá naturalmente conservar as suas jantes de carbono, mas seja mais vigilante quando chover. As distâncias de travagem são maiores e os bloqueios de rodas podem surgir mais rapidamente do que com jantes de alumínio.

Para secar a jante, deverá deste modo, antes de uma travagem necessária, dar vários toques ligeiros e sucessivos nos travões.

número-3

CONTACTO COM O SOLO

Existem pneus específicos para condições húmidas, com uma borracha que oferece mais aderência à chuva. Mas nem sempre é fácil prever se iremos apanhar chuva quando formos pedalar e não dá muito jeito mudar de pneus cada vez que surgir um aguaceiro.

 

MENOS 1 BAR

Se tiver menos pressão, um pneu ou um boyau ficará com uma maior superfície de contacto com o solo e terá, deste modo, mais aderência. Esta menor pressão implicará uma ligeira perda de rendimento, mas permitirá agarrar melhor a estrada nas curvas.

VINAGRE PARA UMA MELHOR ADERÊNCIA AO PISO DA ESTRADA Embora possa parecer uma anedota ou uma velha crença popular, o resultado não deixa de ser surpreendente. Passar um pano embebido em vinagre no pneu da frente antes de uma sessão à chuva terá como efeito desengordurar o pneu e melhorar significativamente a sua aderência. Mas tenha em conta que os efeitos irão gradualmente desaparecer ao longo da volta.   LIMPEZA MINUCIOSA Depois de uma sessão de bicicleta em estrada molhada, limpe os pneus com um pano para remover todos os pequenos detritos. Aproveite a ocasião para limpar a corrente e lubrifique-a para evitar que enferruje.   ELEMENTOS DE PERIGO NO SOLO Quando chove, é comum acumularem-se na estrada inúmeros pequenos elementos de perigo que podem reduzir ainda mais a aderência que já de si precária. Deverá assim evitar travar e não inclinar demasiado a bicicleta quando passar em cima de: - marcações brancas no piso da estrada - calçadas - tampas de esgoto - folhas caídas - manchas de gasóleo - outros detritos. Tenha um cuidado redobrado nas rotundas, especialmente naquelas que estiverem perto de postos de abastecimento de combustível. Quando os condutores enchem o seu depósito até ao máximo, o veículo pode poderá verter combustível no chão ao virar na rotunda, tornando o piso muito escorregadio. Felizmente, com a chuva, as manchas de gasóleo ficam mais visíveis ao emitirem aqueles reflexos coloridos característicos.   DESCONFIE DAS PRIMEIRAS GOTAS Não são as chuvas grossas que são as mais perigosas, mas sim os pequenos aguaceiros e a chuva muito fina, e logo a partir da primeira meia-hora de precipitação. Os hidrocarbonetos absorvidos pela primeira camada de alcatrão sobem à superfície da estrada. Tendo uma densidade inferior à da água, são empurrados para fora da camada de alcatrão e formam uma película extremamente escorregadia, através de uma mistura de poeira, goma, hidrocarbonetos e água. É o que designamos de "piso de sabonete", que os motociclistas conhecem muito bem.

número-4

ANTECIPE AS SITUAÇÕES

A antecipação de situações faz parte das qualidades necessárias para praticar bicicleta. Assume, no entanto, uma importância primordial nos dias de chuva para evitar os perigos atrás referidos e poder travar corretamente mesmo quando a distância de travagem é maior nessas condições. É importante não ser surpreendido por determinados perigos, porque, caso contrário, poderá travar precipitadamente e bloquear as rodas num piso com pouca aderência. A queda será neste caso garantida. Ficam então 4 conselhos que o ajudarão a pedalar com mais segurança à chuva. Alguns destes conselhos poderão não ser novidade para algumas pessoas, mas nem toda a gente os conhece. Além disso, mais vale dar conselhos que possam ser óbvios do que aprender a lição com uma queda!

VOLTAR PARA O TOPO